quinta-feira, abril 27, 2017

Destructive and scary fish

Quando temos um artigo do MEC como este no jornal Publico, a falar de uma forma tão simples de um assunto tão flagrante, pouco fica por dizer sobre os hábitos de consumo de pescado em Portugal:

Nos restaurantes e nas praças grassa um peixe igualmente destrutivo e assustador: a perca do Nilo. Apesar de ser um peixe de rio, criado em condições deploráveis, é bastante mais caro do que muitos peixes selvagens do mar. Há, por exemplo, a sarda, o sarrajão, a solha, a safia e o safio, mencionando apenas os mais apetitosos com nomes a começar por S.

Porquê? Não faço ideia. Não compreendo como é que um país com tanto peixe do mar relativamente barato gosta de comer um peixe de rio que sai tão caro. Será preguiça? Será ignorância?

Eu também não compreendo mas acredito que o preço baixo é um factor atractivo e sim, pode ser ignorância porque a que a maioria das pessoas não deve saber o que está a comprar.
É difícil de compreender como é que a Perca do Nilo, um peixe de água doce que vem do lago Vitória que fica em África, é exportado por países como o Uganda, viaja milhares de kms e está disponível diariamente e fresco nas bancas de qualquer peixaria.